domingo, 18 de setembro de 2011

Alice in Mirrorland & Alice in Underground




Olá! Hoje vou ser bem breve. Faz muito tempo que não comento nenhum One shote (história de capitulo único) aqui – a última vez foi o depravado e divertido, Gênesis – e nada melhor que começar com aquilo, que logo se tornará uma série de posts por aqui. O estilo surreal e – atualmente - politicamente incorreto de Lewis Carroll e sua escrita transgressora de sua obra, Alice no País das Maravilhas e Alice Através do Espelho, que dão asas a imaginação. E felizmente a formas mais interessantes de se observar a multiplicidade de Alice, além da visão míope do tio Tim Burton (desculpe sociedade).


Alice in Mirrorland


Louco e sem sentido? É bem por ai. A melhor forma de se apreciar Alice in Mirrorland, é como se fosse uma série de quadros em exposição, de algum artista excêntrico. A arte é intencionalmente grotesca e provocativa. E porque não dizer, perturbadora? Por meio de 11 quadros, sem quaisquer dialogo, a história é tecida até o seu desenrolar final. Só o que precisamos saber, é sobre o que se trata a história:

Alice espera com sua mãe em um elevador. Todos os homens olham para os peitos de sua mãe. Alice não vê razão para isso. Por alguma razão, não lhe parece certo.

Enquanto reflete do por que, ela percebe que está em outro mundo. Assim como aquela protagonista famosa, naquela outra história.

Então, estranhamente, ela também tinha os olhos dos homens colados nela. Para ela, ela também era uma adulta, assim como sua mãe.


Assim como se aprecia uma belíssima ilustração abstrata, que te oferece diversas opções de interpretações, Alice in Mirrorland também pode ser visto assim. Ainda que a força visual seja bem direta e de fácil compreensão – a meu ver, uma belíssima fabula sobre crescer e descobrir um mundo diferente do seu, o competitivo e melancólico mundo em P&B dos adultos. Mas bem, é uma One Shote interessante e nada mais, é como um bom copo de café, que logo será esquecido. Mas que vale a pena uma breve apreciação. De autoria do francês Nicolas Nemiri, a história de um capitulo foi publicada em 2008 na revista seinen, Mandala, da editora Kodansha em seu aniversário de 25 anos, onde abriu as portas para autores de 16 países. Ele fez um ótimo trabalho ao conseguir transpor desejos ocultos da natureza humana em tão poucos quadros.


Alice in Underground


Este aqui é um conto ainda mais estranho e cabuloso! Esse conto segue de perto a premissa da história de Alice no País das Maravilhas (o anterior como já se faz notar, é inspirado em Alice no País dos Espelhos), mas com um feeling bem insano. A Alice aqui é uma sádica que se diverte impondo torturas e ordens descabidas para as figuras do universo criado por Lewis Carroll. Ao contrário de Alice in Mirrorland, dessa vez a força da história está em sua narrativa, sendo que visualmente não há qualquer destaque, tanto que, o fundo onde visualmente a história acontece, é bem opaco. São apenas 4 paginas (!), que levam a história a um desfecho... surpreendente? Bem, é você quem vai decidir isso e particularmente, gostei de como tudo foi retratado.

A história e arte são da mangaka Mitzukazu Mihara, que tem um estilo próprio de ilustrar (há quem goste e quem odeie). Ela escreve bastantes contos (muitos com a temática de horror, como esse aqui), se fazendo bastante presente na revista Gothic & Lolita Bible, sonho de consumo de 6, entre 10 otaquinhas. Ah, além de Mitzukazu Mihara ter um traço, que particularmente acho belíssimo em sua excentricidade, ainda é fã de Alice. Pense só...

8 comentários :

Anônimo disse...

o filme alice de tim burton e despresivel o melhor deles e o classico da disney( que na epoca fazia coisa boa e não ficava mandando seriados,cantores e musicos adolescentes ridiculos para a gente

Anônimo disse...

eu acho estranho os costumes goticos do japão,ao invez de curtir gotic metal eles escutan j-pop,parece que eles são goticos so como se vestir

julio pq disse...

Legal, dei uma olhadinha aqui e tem em português. Também adoro esse universo fantástico de Alice no País das Maravilhas e aquela coisa meio subversiva embutida na história. Ainda sem ter visto, gostei mais do conceito de Alice in Mirrorland

Anônimo disse...

Roberta Caroline acesso esse blog pelo menos uma vez por semana. Adoro seus post's!!! e devo dizer que não fico indiferente as alterações que você faz no blog. A ultima que me chamou a atenção foi a limpeza que vc fez na barra que aparece logo em cima da home - page. Alguns links foram removidos (por exemplo: anime x Mangá; e Onde comprar). Assim faço: Três perguntas a) Os post's referentes aos links sumiram, ou estão disponíveis em outro lugar? O Link Nono vai ser removido? Quando chegarão mais capítulos de Nono?
Ass: Marco Reis

Anônimo disse...

Ah!!! Faz tempo q quero escrever isso: “VC ESCREVE BEM PRA CARALHO”. Sou seu fã. Ass: Marco Reis

Moranguinha disse...

o segundo mangá é bem legal, pena só ter 4 páginas. Chorei com o final dele kkkkkkkkkkkkkk que menina endiabrada. Mas confesso que eu quando era pequena, fazia muito dessas travessuras

Roberta Caroline disse...

@Marco Reis
Fico extremamente agradecida e contente pelos elogios e o carinho que você demonstrou =)
Eu retirei os links temporariamente, apenas para fazer uma pequena ediçãozinha. Espero colocar todos de volta o mais rápidos possível. E Nono vai voltar e com força total, ainda este mês :D

O Mundo escuro de Morringhan disse...

Gostei da arte do primeiro...

Realmente fazia tempo que não postava sobre one-shots, o que virá pela frente hein? (curiosa).

kisses^.^

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.