sexta-feira, 30 de setembro de 2011

CLAMP x Production IG: A formula mágica de BLOOD-C



BLOOD-C é permeado pelo clima de mistério, tipicamente CLAMP, reforça os clichês típicos não somente do gênero, mas também das histórias assinada pelas velhocas (!!!). Em meio a uma história morna, os pontos fortes da franquia “Blood” ficaram – além da enorme quantidade de sangue em cena - por conta dos excelentes aspectos técnicos, com uma qualidade de animação acima da média, excelente trilha sonora e ótimas lutas, como esperado de um estúdio como o I.G. Production. E isso leva alguns a questionar, porque raios foram chamar aquelas velhas safadas do CLAMP? Claro que o aspecto comercial e artístico pesam bastante e “Blood” sendo a menina dos olhos do estúdio Production I.G., nada mais natural que houvesse uma grande jogada de marketing, onde até o título do nome da série é proposital, porque BLOOD-CLAMP soa muito bem. Além é claro, o CLAMP não é bom apenas comercialmente, mas também criam ótimos conceitos e como dito pelo diretor do anime em uma entrevista, podemos ver dessa forma.


Como quase tudo lançado ou que o CLAMP se envolve de alguma forma, esse projeto deu e ainda dá o que falar. De um lado os haters das garotas do CLAMP, do outro, os fanboys da franquia “Blood”. E no meio desse fogo cruzado, eu armo meu guarda sol e vou curtindo a paisagem, pois adoro igualmente tanto a franquia/e o estúdio, quanto o CLAMP. Até mesmo os primeiros três episódios que são bem sem sal (apesar de eu ter curtido pelas pistas deixadas e um climinha gostoso de não saber o que estava por vir), e tidos como chatíssimos pelo público e blogueiros de plantão, não me tiraram do sério. Foi claramente um erro de perspectiva do diretor Tsutomu Mizushima, que teve as melhores das intenções ao tentar passar para o vídeo, a trama elaborada por Junichi Fujisaku (figurinha do Production I.G.) e Nanase Ohkawa (do CLAMP).

A concepção da ideia é correta: Voltando atrás, agente percebe vários detalhes que viriam a tona no desfecho final

Ao meu ver, Blood-C tem uma progressiva melhora já a partir do episódio quatro, mas ainda não era o suficiente, questionado em uma entrevista para o site ANN, onde o entrevistador questiona o fato de que em cinco episódios, não se sabia nada da história, algo que realmente é bastante incomum. Ao qual Mizushima responde que: “Na primeira metade da série, eu me foquei na descrição das situações do dia-a-dia. Esses mesmos detalhes do dia-dia lentamente revelam seu verdadeiro significado enquanto a história progride na segunda metade. Quando você vir os últimos episódios, você vai querer voltar e assistir de novo desde o primeiro episódio”. Acredito que todos entendam quais foram a intenções dele, mas dividir sistematicamente cada um dos cinco primeiros episódios entre ação e um slice of life idealizado, não deu certo. É um cotidiano chatinho demais. Exemplo melhor temos no alucinante Ga-Rei-Zero, onde essa ideia que o Mizuhina queria trabalhar em Blood-C, tem um desenvolvimento muito mais satisfatório, envolvente e angustiante. Poderia citar também Madoka Mágica, que trilha esse caminho de desconstrução de personagens ao avesso, exemplo esse que cai até melhor em Blood-C, já que em ambas as tramas, houve uma tentativa de camuflar essa investida e pegar o público de surpresa. Funcionou em Madoka Mágica, já em Blood-C...NÃO!

Aqui, uma possível referência ao clássico Blood: The Last Vampire

Olhe as dicas deixadas lá atrás. Saya sádica, quem não curte? Tsss

Tentar cativar o público com situações do dia a dia tão superficiais (até Keion consegue ser mais envolvente nesse aspecto), sem ao menos deixar uma narrativa contundente, é pedir pra ser criticado: “Ouvi dizer que você intencionalmente direcionou o anime de forma a mostrá-lo incongruente, mas acho que artificialidade excessiva vai acabar estragando o anime e o público vai ficar entediado. O que você acha?”. Então questionado, Mizushina dispara: “Se você acha que Blood-C é chato, eu me sinto muito triste por isso. No entanto, vou continuar acreditando na minha política de direção (...)”. Críticas essas, feitas no blog pessoal do autor, o que mostra claramente a insatisfação do publico japonês naquele momento com os rumos tomados na produção do anime. Coincidência ou não, a lerda evolução iniciada no episódio quatro, chega ao clímax nas sequências que sucederam o ótimo episódio seis do anime.


Realmente é algo pra se pensar, pois Blood-C deu uma guinada fantástica, mas o nome da franquia já estava manchada perante seus consumidores. E note que a execução de Blood-C melhora drasticamente do episódio seis ao último da série de forma ininterrupta, mas a história é a mesma, não é fantástica, é apenas... BOA! Mas é ai o que mora segredo no gênero onde Blood-C se sustenta com uma das pernas, que é o horror. Grandes partes dessas histórias não são nada incríveis, mas a forma como ela será recebida por quem assista, jaz na execução, na boa narrativa e principalmente e especificamente se tratando de horror, o choque, seja gráfico ou narrativo, é preciso existir –As histórias de horror tem uma intensidade impar, seja narrativamente ou graficamente e esse é um dos motivos de eu adorar tanto esse gênero. Assim como também o suspense, que precisa do auxilio da trilha sonora e de bons ângulos. Talvez alguns fãs esperassem uma aproximação com o que foi feito em Blood+, porém segundo o diretor, Blood-C está bem mais próximo do produto original da franquia; Blood: The Last Vampire, e é bem fácil perceber isso mesmo na narrativa. 

"Blood-C sem dúvida alguma herda e continua o que foi começado em Blood: The Last Vampire. Ao mesmo tempo, parece ser bastante diferente dos seus predecessores. E não poderia ser de outro jeito, já que esse era o propósito em fazer com que o CLAMP se juntasse ao projeto." - Mizushima

Aqui, o anime dá uma guinada SENSACIONAL e impactante - Fora uma importante surpresinha para fãs do CLAMP. N a cena, mais uma importante pista que só nos seria revelado ao final

Obviamente, boa parte do publico que voltou suas atenções para Blood-C estritamente por conta do grupo CLAMP ou por ter parecido atraente, não deverá ver o anime bom bons olhos, o que é perfeitamente compreensível. Para quem está acostumado com esse nosso mundinho do horror, Blood-C não apresenta nada demais, porém para outras pessoas, a grande quantidade de violência gráfica, pode vir a incomodar. Afinal, o anime começa agridoce e termina com uma atmosfera sombria e sanguinolenta. Sem dúvidas é uma série que ou você ama, ou odeia profundamente. Eu estou no primeiro grupo. Como uma série de horror, com enfoque quase que claustrofóbico no mistério do enredo, há grande ênfase principalmente na atmosfera que na segunda e melhor parte do anime, se torna marcante e alucinante. Palmas principalmente para o CLAMP, que sabe construir como ninguém, um clima de suspense crescente, embalado pela trilha sonora. E segundo, para o Production I.G, que caprichou no aspecto visual e na impactante OST do anime, que é muito boa. Outro ponto ai está no desenvolvimento lento da trama e dos personagens, algo comum no gênero, mas que como já mencionado, não foi bem desenvolvido na primeira parte do anime.

Censura fode muito na versão tv, muito mesmo. O branco cobrindo toda a tela, são cenas corriqueiras

Comentários gerais

Antes de tudo, vou fazer aqui o papel de advogada do diabo, isento o CLAMP da responsabilidade do ritmo e representação dos primeiros cinco episódios do anime. Tem um mar gente criticando as pobres velhinhas, mas a responsabilidade ai vai toda para o digníssimo Tsutomu Mizushima, que falhou ao tentar causar um efeito surpresa e impactante, mostrando uma primeira parte do anime completamente em clima florido e angelical, fazendo uma mistura que o @Qwerty do Subete Animes, não poderia ter definido melhor: “K-on! durante o dia e Bleach a noite” – quem assistiu, entende bem o motivo. Segundo que todos já sabem do desastre da primeira parte do anime e de sua surpreendente reviravolta em sua segunda parte. 
Blood-C conseguiu equilibrar bem o fanservice, que é quase inexistente, apesar de parecer o contrário, com cenas como essa ou com o que já é característico do CLAMP, insinuações

Há quem aprovou e há aqueles que continuaram achando ruim, mais por uma questão pessoal de gosto, do que propriamente pela qualidade do enredo a partir dali. Euzinha aqui, vejo parte de Blood-C como algo muito bacana, com altos mindfuks, reviravoltas, trollagens, SUUURTOS e muito suspense intricado, permeando a misteriosa trama. Afinal, que porra é aquele lugar onde Saya vive? Por que essas mudanças súbitas de personalidade da Saya? Eles morreram? Estão no inferno? No limbo? Oh YESSSS! Estamos de volta aos velhos tempos de teorias de séries como "Caverna do Dragão". Altas teorias, altos surtos coletivos e na insatisfação, ofensas coletivas no twiiter. Acompanhar Blood-C em tempo real foi uma experiência incrivelmente recompensadora e você deveria experimentar assistir determinados animes juntamente com a massa, é algo completamente diferente de pegar todos os episódios e assistir tudo de uma vez.


Agora alguns tópicos importantes antes de eu encerrar o post:

  • Vale a pena assistir Blood-C?

É claro, Superando os primeiros episódios (que particularmente, não vejo nada de tão "ÓH QUE HORRÍVEL"), a narrativa se torna altamente satisfatória, o desenvolvimento é feito a partir de abordagens obvias, onde você é capaz de ver que tudo ali, é realmente aquilo que aparenta ser, mas ao mesmo tempo, as perguntas são crescentes e cada vez que uma resposta se confirma, enaltece ainda mais os “por quê’s” e a vontade de assistir logo o desfecho daquela loucura toda é cada vez mais crescente, assim como o suspense. 


Como bem dito por Mizushima: Quanto ao meu objetivo na série de TV, eu queria criar uma história que alcança uma conclusão – mas que, ao mesmo tempo, faz uma conexão com o filme que será lançado no ano que vem. Ele conseguiu fechar muito bem a trama apresentada no anime, deixando alguns pontinhos de interrogação, mas vejo o anime como uma grande introdução, a verdadeira história que veremos no filme. 

  • Exageraram na violência?

Não vejo da forma que alguns colegas veem. A trama é simples, por isso ela precisa muito do apoio da trilha sonora, das expressões dos personagens (destaque aqui, pois nesse aspecto, o medo e desespero dos personagens, precisam passar veracidade), do suspense narrativo e ambiente e principalmente, precisa de representatividade gráfica ou então mudar o gênero do anime e assim representar uma ambientação mais palatável. Questionado sobre ter dado muita ênfase nesse aspecto, Mizushina rebate dizendo que foi a impressão que ficou, devido a censura do anime na televisão. Perguntaram sobre o sangue jorrando exponencialmente e ele responde que: “Eu sei que é exagerado demais, mas eu fiz as cenas de sangue de forma irreal para que o público não se sentisse desagradável. O fato de ser uma série "Blood" não tem relação”.


Bem, ai está. Não vou dar spoilers e nem surtar mais do que já surtei no meu twitter, porém, lhes digo que o desfecho final de Blood-C é enlouquecedor. Brutal, muito, MUITO VIOLENTO e apesar de parecer obvio, foi SENSACIONAL. Deixo aqui meus parabéns pelo aspecto técnico e suporte do Production I.G. ao anime. Mizuhina pode ter errado, mas conseguiu convencer nos últimos minutos da prorrogação, ao se utilizar bem do bom roteiro oferecido pelas garotas do CLAMP. E não bastasse o final insanamente surtante (frisando que foi o melhor episódio final dos animes da temporada de Verão), deixaram um  cliffhanger perfeito para o filme da série que será lançado ano que vem (ver mais detalhes aqui), dando prosseguimento a saga de Saya.



Destaque final: sangue, MUITO SANGUE jorrando e excelentes lutas, muito bem coreografadas. É pra fazer neguinho ter orgasmos mentais de tirar o folego. A censura deixando todo mundo louco e nos privando do gore supremo. Ah, vá! Queremos ver miolos e cabeças rolando, não apenas sangue jorrando. Por isso, TODOS ficam de olhos nos lançamentos da versão BD. Nos vemos na première do longa de Blood-C. Até mais seus lindos, fiquem ai ótima OP do anime. 

14 comentários :

animeportifolio disse...

Ótima postagem e que anime bom. Comentarei apenas sobre a questão da violência. O anime ele pode facilmente ser categorizado como Gore e isso é ruim? Claro que não, em um mercado atual em que o politicamente correto afeta até mesmo as produções animadas japonesas é muito bom uma série que choca não apenas por uma história adulta e sem um desfecho feliz(desculpe o spoiler, mas não achei uma forma melhor de falar isto), mas também marcado pela violência, que não é exagerada, mas adequada a premissa da série. O anime não se propõe em ponto algum a esconder que as criaturas ali presentes comem humanos, pois é isso que elas fazem e se objetivo disto era chocar a personagem, não há porque ser bonzinho e esconder o que as criaturas fazem. É Gore sim, mas nem por isso é ruim, nem trash (o que as vezes não é ruim). A censura fez sua parte, apesar de ser descarada demais, o pior é que ela provavelmente ajudará a venda dos dvds e blurays, pois muitos, como eu, querem ver a versão uncut também.

A obra é excelente na execução do que se propõe e o melhor é que cada emoção que a série parece querer nos gerar como raiva, medo, curiosidade, agonia e esperança, ela gera, pelo menos eu acabei sentido tudo isso, apesar de o medo ter sido em um escala ínfima.

Adorei o Anime, adorei o post e estou empolgadaço com o filme. Ele está junto a Kaiji II, Usagi Drop e Berserk como um dos filmes japonês que mais estou esperando.

2DXD disse...

Extremamente mítico, vim pedir pra flar de Blood C e oq eu vejo? Por isso q esse site é bom demais XD

LaLa-chan disse...

Quem diria não é mesmo? Que um anime que começou tão ruim, fosse ficar tão foda como ficou. Concordo com todas as palavras e o final enlouquecedor. O que fode é ter que esperar até o final do ano que vem ou vai saber quando vão jogar o filme na net u.ú

Rei Ayanami disse...

Extremamente mítico, vim pedir pra flar de Blood C e oq eu vejo? Por isso q esse site é bom demais XD [2]

Como a maioria, eu fiquei bastant frustrada com o anime nos primeiros episodios. Sendo sincera, as únicas coisas que me seguravam ali era as boas lutas de 5/10 minutos, com boas sequências e ação. Mas depois que abandonaram aquela coisa chata da vida da Saya (todo mundo já sabia que tinha alguma coisa de errado ali, mas ter que suportar aquilo era muito chato), eu só posso dizer que OH YEAH!! A tensão entre a Saya e o "pai" dela era demais e tudo acabou da forma mais trágica possivel. Eles foram inclusive bem corajosos na abordagem. Eu que não sou santa, fiquei completamente chocada com o episódio final. Ficou ótimo, que venha o filme pelo amor de deus.

YagoO disse...

Eu não achei o começo tão ruim como falam...
Pra mim o problema foi a maldita censura.


Só eu ri do pato? oO

O Mundo escuro de Morringhan disse...

@Rei Ayanami

Nem me fale...não sei você mas quando sair a versão sem censura acho que não vou baixar ¬¬ Não sou nenhuma puritana mas...cara eu tinha acabado de jantar @.@

@Roberta Caroline

Eu odiei a série quase toda, principalmente os primeiros episódios. Mas alguma coisa não me deixava dropar, pensei que "nenhum anime fica sem um ápice, vou aguardar para ver"...Sabe eu gosto muito do Clamp, mas sou muito fã da série Blood e era inadmissível que essa versão ficasse assim tão sem sal. Os últimos episódios foram evoluindo, como vc disse, não eram perfeitos, mas pelos menos BONS.
Aí vem o penúltimo e me chocou. Porque veja bem...Você tá acostumado com aquele rítmo, com uma trama que sempre retrocede nas partes misteriosas. Mas claro que tal choque nem se comparou ao último ep. pqp desconstruíram todas as minhas teorias e a violência extrema foi um balde de água fria para quem estava entorpecido pelo ritmo lento da história.

Ainda prefiro os outros Blood's mas esse anime...Espero que saia algum extra porque terminou de um jeito que você quase grita "Peraí!E agora?!"...

Natália Fontanna disse...

Assisti agora a pouco o final e vim correndo ler o post. Assistindo o último episódio, eu não sei se eu ria ou se me sentia enjoada. Pra um anime com nome de Blood, esse ai levou a premissa as ultimas conseguências kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
No fim das contas, concordo quando dizem que foi tudo uma grande trollagem. Ms sabe, eu gostei. A Saya verdadeira se revelou muito sexy e atrante, ela ficou tão legal nesse final que eu até esqueci de vez aquela desgraceira de moeblob.

Spoilers a seguir:





E diabos aquela cena final que atiram no rosto dela, fala sério. Fiquei boiando ali, tentando entender.

junior disse...

na cabeça aberta eu senti uma homenagen me lenbrou um manga do kazou umezo(dark book),

Ricardo disse...

Bem desagradavel aquela sequência final e o cara ainda fala que nã otava violento. WTF? E eu não estou dizendo que não curti, mas foi puro crazy aquilo HAHAHAHAHAHAHAHA Concordo, como bem dito, Blood-C não é O ANIME, mas foi legalzinho de se assistir quando resolveram parar com aquele negocio de slice of life.

EgonLucas disse...

Nossa, realmente estou no segundo grupo. Odiei de alma Blood-C. Pra poupar tempo vou soltar um control c e v de um comentário sobre o anime que coloquei na scan que faço parte:
"Certo, tava lá a criança toda feliz, vendo um projeto da CLAMP, que ia ser lançado primeiramente como anime. Meu Deus! Fantástico! Tipo, sou fã-boy de carteirinha da CLAMP. Daí vai, assiste o primeiro, lixo. Continua esperando que foi só um mal começo, e que tudo vai ficar melhor. Assiste o segundo, lixo. Do primeiro até o décimo o episódio, tudo se resume à: Saya é uma menina feliz, que vai feliz cantarolando para a escola feliz, para encontrar seus amigos felizes, mas a vida de Saya não é só arco-íris, porque ela é filha do sacerdote do templo da cidade (pá! choque n.º1), que entrega pra ela uma espada (pá! choque n.º2) para ela lutar contra so Furukimono (pá! choque n.º3, por esse vocês não esperavam). Aí vocês perguntam, "Mas como assim, Egon? Não tem desenvolvimento nenhum apartir disso? Todos episódios se resumem a isso?" Sim! Tudo se resume a isso! No episódio 11 teve um desenvolvimento meia-boca, super meia-boca, que não vou contar porque spoiler mata. Portanto, o roteirista deveria tentar o seppuku básico, o diretor também, mas chamaremos de harakiri para revezarmos os termos. E não, não ví o episódio doze ainda não. Mas não é pra vir me falando que quando eu ver o doze que minha opinião vai mudar, porque num vai não! Aonde é que se viu fazer uma merda em 11 episódios num anime de 12 e tentar reverter tudo no último? E a CLAMP deveria se envergonhar de ter trabalhado com um projeto desse. Ainda bem que ví séries completas (anime e mangá), como Kobato, xxxHolic (o Rou também), Tsubasa e o agora recente Gate7, que posso manter minha consciência limpa de que foi só um chute que erraram o gol. Mas aí me vem a notícia que vão lançar o filme?! Desculpem o termo, mas, pontequepartiu! Vou ver o filme, claro, não posso ter chegado até aqui, pra não ver o filme e continuar chingando a série. Vou ver, e espero que tudo melhore, que eles façam algo direito. Por isso, se vocês estão se perguntando um anime bom sobre vampiro para assistir, NÃO ASSISTAM BLOOD-C, ASSISTAM BLOOD+! Que é infinitamente melhor. E eu não suporto aquela guria falando o quão bom é o "guimauve"! (acho que errei o nome). UUrrf... pronto, liberei meu ódio."

Resumindo: blood-c = lixo.

Aurélio disse...

Primeiro desprezo qualquer coisa que a Clamp fez ou fará no futuro (Com exceção de SCC e Kobato.), logo assisti Blood-C por admirar bastante a franquia "Blood".

Quanto à série em si, fico no meio termo pendendo mais para quem não gostou. Achei que boa parte do que foi apresentado foi MUITO desnecessário, do lado positivo posso dizer que achei da violência exagerada (sério nesses 12 episódios foi derramado mais sangue do que o Shiryu derramou em CdZ inteiro) e os twists e reviravoltas na trama interessantes, só que o problema foi a repetição desses elementos durante os 12 episódios, repetiram demais a violência, repetiram demais as cenas de cotidiano e repetiram demais a formula dos episódios a tal ponto que imaginei que era um dos roteiristas de Pokémon que estava escrevendo eles.

Sem nenhum spoiler, acho que Blood-C é falho, não por seu roteiro, animação ou personagens, o problema foi o formato da série, uma ou no máximo duas OVAs de 40 minutos de prequel para o filme seriam INFINITAMENTE superior do que o formato de que adotaram.
Por isso, apesar de considerar Blood-C uma série MUITO RUIM, vou esperar ansiosamente o filme, um formato que eu acredito que irá funcionar muito melhor, para ver a conclusão da trama.

LuizE disse...

"Quanto à série em si, fico no meio termo pendendo mais para quem não gostou. Achei que boa parte do que foi apresentado foi MUITO desnecessário, do lado positivo posso dizer que achei da violência exagerada (sério nesses 12 episódios foi derramado mais sangue do que o Shiryu derramou em CdZ inteiro) e os twists e reviravoltas na trama interessantes, só que o problema foi a repetição desses elementos durante os 12 episódios, repetiram demais a violência, repetiram demais as cenas de cotidiano e repetiram demais a formula dos episódios a tal ponto que imaginei que era um dos roteiristas de Pokémon que estava escrevendo eles."

Concordo. Não vejo o por que de tanto alarde por este anime não. Com estes tipos de análises que o autor nunca irá evoluir.

Fico imaginando se os outros irão beber desta fonte ou inovar ela.

Resumindo: blood-c = lixo. 2x

E sabe o por que??? Claro. Se os primeiros episódios não me satisfez, então não vale a pena. É a mesma coisa você estar num parque, só acompanhando aquela sua amiga tirando fotos, e logo no meio da tarde, eles começam a usufruir os brinquedo, mas, mas: Irei só me divertir com tão pouco tempo?

Lamentável.

srKuran disse...

Saya caiu tanto de produção,

"CALMA EU VO PROTEGER TODO MUNDO"
> so usa o poder quando é pra proteger ela mesma
> depois que todomundo morre e sobra so ela
*rolo de rir*

ela daria uma bela de uma guarda costas, nao?

anime ficou horrivel
queria ser sangrento/Dark, virou totalmente COMEDIA

*cara consegue escapar, quebra os vidros da sala e acerta nele*

*KKKKKKKKKKKKKKK*

vergonha alheia.

sugarcanefields4ever disse...

Devo dizer que quando eu vi o anime eu não dei muita atenção para ele, (não da forma devida e merecida que eu iria descobrir que eu devia dar), mas depois de um tempo ele começou a provar que não era um anime bobo e sem foco como eu julguei ser. Ele provou que é um anime Blood de verdade (mesmo que tenha um monte de pontos que a principio não deixarão isso aparecer). Assim eu posso dizer que valeu ver esse Blood-C.

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.