quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Sugar Sugar Rune: Eu vou pegar, o seu coração!



As bruxinhas de Sugar Sugar Rune vêm à vida durante uma experiência realizada pela Professora Moyoco Anno, que acidentalmente mistura à fórmula composta por "açúcar, tempero e tudo que há de bom", o Elemento X, criando assim as duas bruxinhas mais fofas do reino da fantasia. Com todo o respeito, esse manga lançado meses atrás pela editora Panini, é FODENDO os radares do moe, de BOM! Se você sofre de diabetes, se mantenha afastado desse titulo. Se você tem qualquer queixa contra fofurices e sente o estomago revirar com aromas de flores impregnando o ambiente, não abra qualquer volume dessa série. Fui clara? Então, se preparem, pois eu vou VOMITAR ARCO IRIS, NOW!

Sugar Sugar Rune! Choco Rune! Eu vou pegar, o seu coração! Essas são as palavrinhas mágicas entoadas por Chocola Meilleure, à personagem principal da fantasiosa história criada por Moyoco Anno. Sugar Sugar Rune, mangá de maior sucesso de Moyoco, que no Japão é mais conhecida por suas series joseis, como Happy Mania e Flowers & Bees. Mulher do famoso diretor, co-criador do mítico Neon Genesis Evangelion, Hideaki Anno, Moyoco é popular entre o publico consumidor de joseis, sendo considerada em uma pesquisa do site Oricon como uma das oito mangakas mais populares do Japão. O mangá ganhou sua versão anime com 51 episódios, em 2005 - e além de Sugar Rune ², Hataraki Man Mania também já havia ganhando uma versão animada em 1996 e logo em seguida, o popular Happy Mania, que me interessou especialmente por que sua protagonista é praticamente uma versão crescida de Chocola. A série ainda chegou a ser premiada com o prestigiado Prêmio Kodansha Manga em 2005, como melhor mangá do ano.

O enredo de Sugar Rune² é bem simples, girando em torno de uma competição que irá escolher a nova rainha para o mundo mágico. Com isso, as inseparáveis amigas, Chocola Meilleure e Vanilla Mieux, as jovens bruxinhas do mundo mágico, são escolhidas e enviadas ao mundo dos humanos. O concurso se resume em elas terem que coletar corações dos garotos e no final, quem tiver mais, será a nova rainha. No entanto, as garotas conhecem Pierre, um frio e misterioso garoto que se colocará no caminho das duas, tentando conquistar o amor de Chocola e usando Vanilla pra atingir seus objetivos.


Antes de qualquer coisa: Sugar Rune² é um mangá infantil. A revista Nakayoshi (mesma casa de Sailor Moon) da editora Kodansha, ao qual a série foi serializada, é uma das antologias mais antigas de shoujo em circulação no Japão, sendo lançada desde 1954 e destinada exclusivamente para o publico da faixa etária 09/15 anos. E há algum problema na história ter sido desenvolvida com foco nas crianças e pré-adolescentes? Não, nenhum. É uma história agradável que entrega aquilo que promete, indo até um pouco mais além. Seguindo uma linha “Halloween”, mostrando duas bruxinhas como protagonistas e com um plot básico sobre uma competição, Moyoco levou a história mais além e trabalhou muito bem os relacionamentos sob a ótica das personagens; garotos e garotas na complicada fase da puberdade – Quase impossível não gerar uma identificação instantânea. Ouso dizer, podem me julgar a vontade, que Sugar Rune² é a versão shoujo açucarado do josei (também lançado aqui no Brasil pela Panini) Honey&Clover.

  • Algo que encanta em Sugar Rune² são os diálogos e frases, tais quais as presentes no mangá Honey&Clover, é de uma doçura e poesia encantadora, que á vontade é sair anotando.

  
O moe de Sugar Sugar Rune e o gênero garota mágica


Independente da forma que você interprete o fenômeno moe atualmente, não dá pra simplesmente ignorar a existência do mesmo. E se hoje, para alguns, o moe representa uma ameaça as “boas” obras da indústria, houve um tempo sua conotação era simplesmente para distinguir uma personalidade fofa e inocente. E se tem algo que é característico em séries de mahou shoujo, é justamente isto, então nada mais natural levando em conta que antes era algo destinado ao publico infanto-juvenil feminino, mas um pouco diferente do maior sucesso do gênero na atualidade: Futari wa Pretty Cure.


Como algo do gênero “garotas mágicas”, Sugar Rune² foge um pouco do estereotipo, assim como Shoujo Kakumei Utena. Chocola e Vanilla, como qualquer outra bruxa dos contos mais tradicionais, recebem um upgrade com suas varinhas mágicas, mas diferente de um Sakura Card Captors, o enredo não gira em torno do enfadonho “monstro do dia” e uma corrida desenfreada para salvar o mundo. Ao invés de emular o estilo “shonen ao contrário”, com ação, aventura e raramente trabalhando em cima da vida pessoal das personagens, Sugar Rune² nos oferece o que há de melhor no shoujo, com o que há de melhor em séries de mahou shoujo.

Desenvolvimento da história

Eu não cheguei a assistir a versão animada de Sugar Rune², mas resolvi comprar pelo traço, que me agrada apesar de não ser o que podemos chamar de “lindo”, a premissa e por ser algo completamente fantasioso sobre duas bruxinhas. Tive uma bela surpresa ao ver o quão belo tem sido o desenvolvimento da história. Chocola e Vanila são muito amigas e boas garotas, fiquei imaginando como a autora iria trabalhar a competição entre as duas. No inicio, não é tão calorosa e vemos principalmente, o contraste de personalidade das duas personagens. Enquanto Chocola, a protagonista da série é toda extrovertida, Vanilla por sua vez, é uma garota tímida e retraída. Foi simplesmente “genial” a ideia de a Moyoco trabalhar em cima de duas amigas com personalidades completamente diferentes. Vemos isso á todo momento, principalmente quando se trata de crianças, onde a mais tímida acaba se encontrando na figura mais extrovertida e meio que ambas se completam ai.

 Amizade, romance, rivalidade, o complicado e desconhecido momento de quando você deixa de ser criança para se tornar um adolescente e você não sabendo ao certo como lidar com tudo isso – Esse é o verdadeiro tema de Sugar Rune², que tem como plano de fundo, a disputa em torno do posto de “Rainha do Mundo Mágico”. E como não poderia deixar de ser, o humor se faz bastante presente e é um charme e tanto na história. Oras, houve um momento na vida de cada garoto, onde eles só queriam estar juntos de outros iguais e não davam a mínima para meninas. Mas tem AQUELE momento, onde algo começa a mudar e toda vez que você olha para a face de uma menina, seu coração começa a bater descompassadamente e como não sabe bem o que dizer para ela, acaba soltando alguma coisa idiota. Garotos....rs. Esses momentos são simplesmente maravilhosos e o que dizer então quando uma garota que nunca se apaixonou antes, se sentia mais a vontade na presença de garotos e agia como tal, descobre-se apaixonada pelo partido mais mau caráter da escola? E PIOR, ela sabe que ele não presta, mas não consegue controlar seus sentimentos. Chocola passa por isso, sempre tão segura e agindo como “machinho”, acaba cometendo o erro que 8 entre 10 garotas cometem: Entregar seu coração para a pessoa errada. Só que em Sugar Rune², as consequências são piores, pois as bruxas, ao contrário dos humanos, só tem UM CORAÇÃO e se alguém o tomar, ela desaparece. Com isso, temos um dos melhores conflitos do mangá, fora a rivalidade que acaba minando o relacionamento entre Chocolla e Vanilla.


Sim, porque enquanto era apenas uma disputa envolvendo oreino mágico, as duas eram inseparáveis. Mas quando feridas escondidas no fundo da alma vêm à tona, Vanilla que sempre se conteve e se sentia inferior a Chocola, acaba se revoltando e trilhando um caminho próprio. Eu fiquei bem satisfeita com o desenvolvimento de Vanilla, mesmo que minha personagem preferida seja a Chocola, senti um pouco de receio no inicio que a personagem pudesse ficar sempre nas sombras da amiga popular. Mas o que sai dai, é o mais puro e legitimo drama, de uma garota que aprendeu a dizer sim desde muito pequena e que não pode desfrutar ao máximo do relacionamento com sua mãe, porque ela como rainha do mundo mágico, tinha outras tarefas mais importantes a fazer. Então, acaba que Vanilla tem até um melhor backgroun do que Chocola.

E surpresa nenhuma que temas mais adultos e obscuros sejam trabalhados de uma forma mais clara e suave em séries para o publico infantil, mas assim como os “contos de fadas”, há todo um subtexto por trás, que faz com que séries de mahou shoujo, sejam algo muito além do que mostrado na superfície. Desconsidere os produtos do gênero feitos exclusivamente para o publico otaku e pegue obras mais voltadas para o publico infantil feminino geral, que encontrará ali todo um contexto muito além do que à série vende.

Comentários gerais

A edição da Panini está um primor, no nível da excelente edição de Basilisk. Todas as edições até aqui (a Panini lançou até o momento, 07 volumes de Sugar Rune²) vieram com páginas coloridas que dão vontade de beijar, TODOS os extras estão presentes (a bem da verdade, só leio os omakes, quando há – os extras de Sugar Rune² estão além da compreensão, mas é muito bom que a Panini tenha mantido todos) e a tradução da Karen K. Hayashida (@Karen_Hayashida )está excelente, como sempre.

A arte da Moyoco é bem singular, com personagens de olhos enormes que cobrem praticamente todo o rosto, sabe preencher como poucas mangakas, todos os espaços com uma diagramação e quadros simplesmente sensacionais e que talvez, pudessem transformar tudo numa poluição visual do caramba – como ocorre em mangás recentes do grupo CLAMP – mas é impossível ser perder. Alias, se você perde alguma coisa, são preciosos minutos em cada pagina, admirando a arte. Os personagens são bonitos, como não poderia deixar de ser em um mangá assim e praticamente todos na faixa dos 10/14 anos (fora os adultos), seus figurinos seguem bem a linha Halloween, com uma paleta de cores predominante em preto, laranja, verde, fúcsia e roxo. O tom é meio gótico, mas com áurea romântica e fantasiosa. TUDO em Sugar Rune², parecem ter inspiração direta na moda de Harajuku.


Os personagens no geral cumprem bem o seu papel e são carismáticos. Mas há tantos aleatórios ali, no meio dos que podemos chamar de “fazem parte da base”, que quando a autora traça o perfil do mesmo em algum extra, você fica perguntando que personagem é aquele. Mas ai você lembra que é apenas um personagem figurante, que apareceu em alguma cena de fundo da história. Com muitas reviravoltas e doces, muitos coraçãozinhos, muito amor e“guloseimas ou travessuras”, Sugar Rune² chegará ao seu final na próxima edição, espero que feche bem a descontraída e descompromissada história elaborada por Moyoco Anno, mas desde já a recomendação é válida para quem procura algo do tipo para ler. Segundo algumas críticas, o mangá fecha a história de forma brilhante e elegante, não duvido mesmo uma vez que ela começa mediana e já no segundo volume, consegue fascinar, chegando a momentos de puro “VOMITANDO ARCO ÍRIS” ao “OH NÃO!” em seus momentos finais. Mas eu já falei, É DOCE, MUITO DOCE!!! É por isso que fiquei apaixonada pela história. Sugar Sugar Rune! Vani-Rune!

Gênero: Mahou Shoujo,  Romance, Comédia
Demográfico: Shoujo
Revista: Nakayoshi (Kodansha)
Publicação: 2004/2005
Volumes: 08 (completo)
Autora: Moyoco Anno

13 comentários :

LaLa-chan disse...

Eu comecei a comprar esse mangá depois de ouvir muitas recomendações positivas e não me decepcionei. O mangá nos brinda com uma trama cativante e a Vanilla é um armozinho. Dá vontade de abraçar e não soltar mais, a Chocola é arteira, mas super carismatica, não da pra não sentir carinho por ela.

junior disse...

esse e o ultimo post do Halloween?
achei que não ia ser um Review

Roberta Caroline disse...

Não, não será o último não. O último, só segunda.

Natália Fontanna disse...

Na minha MAL, Sugar Sugar tem nota 8. Li o mangá a muito tempo na net, mas estou colecionando pela Panini ja que tão fazendo um trabalho muito bom. Fico sonhando com o dia que Precure vai pintar por aqui.

Augusto disse...

eu só não pego por ser mt coloridinho pro meu gosto :> mas nada contra

junior disse...

uma duvida por que sera que nenhun anime shoujo tem esse caractere design tipo igual as capas de mangas shoujos?

Slam Dunk disse...

Chocola >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> all

Estou gostando muito e tomara que o fim seja mesmo satisfatório. Recomendado pra quem procura boa leitura.

O anime não é tão interessante, por tentar banalizar demais a história e os acessorios. O mangá não, o mangá apesar de ser para o publico infantil, achei até bem maduro. Recomendo todos os mangás de Moyoco Anno. Tomara que a Panini traga mais da autora.

Roberta Caroline disse...

@Junior: Mawaru Penguindrum XD

Panino Manino disse...

Depois eu vou ler, mas digo que tive um problema com essa série.
Complicado conseguir o anime. Quando tive vontade de assistir foi uma dificuldade para encontrar.
E... pensei em comprar o mangá, mas sim, tenho vergonha de comprar.
A solução é encomendar tudo pela internet agora que acabou.

Lisbela disse...

Eu estava acompanhando por uma amiga, mas gostei tanto que vou comprar assim que lançarem o volume final. Os desenhos da Moyoco Ano são bem originais e detalhados. Gosto disso ^.^

Soneca disse...

To much sugar for me -_-
Nem é por causa da história que não irei ler, e sim pela arte. Achei muito feia ela, e olha que eu vejo uns com arte muito escrota (vide Giant Killing).

Megumi disse...

Quando vi esse post,fiquei tipo:
O____________________O
Sério,acabei de ler o volume 7 ontem,e imaginei a resenha dele no blog,de repente,chego aqui e vejo isso q
Adorei a resenha,e ah,quem não compra por vergonha,por ser mahou shoujo,por achar muito criança,tenho pena,estão perdendo um ótimo mangá.

Megumi disse...

Acabei de ver o primeiro episódio do Anime,e CARACA '-'
Sério,não sei como conseguiram infantilizar tanto o mangá.Na minha opinião devia mantar o clima da história,como você disse tem um clima gótico,e tudo é preto,laranja,e etc,bem halloween mesmo,mais no anime,é tudo coloridinho,e infantil -.-

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.