domingo, 13 de novembro de 2011

Ibara no Ou: King of Thorn ~ O castelo da Medusa



Imagine que a “Animação Suspensa” fosse realidade e você pudesse entrar em um estado de sono profundo e ser acordado muitos anos depois, em um futuro completamente diferente do que imaginou? Esse é um tema que atualmente não está mais na moda no campo da ficção cientifica, mas que serve de plot para o filme King of Thorn (Ibara no Ou). Há temos que a fronteira entre os gêneros ficcionais se diluiu a tal ponto que atualmente são poucas que trabalham somente em cima de uma linha narrativa. Produzido pelo estúdio Sunrise, famoso por seus animes do gênero mecha, King of Thorn é mais uma série que faz essa transposição – E acaba se saindo bem ao misturar ficção científica, fantasia e aquele feeling de história de sobrevivência que se faz presente durante toda a execução. 

A história se desenvolve em cima do estranho e desconhecido Vírus Medusa, que igual a Mitologia Grega, onde o olhar de Medusa transformava quem a olhasse em estátua de pedra, assim que o vírus se manifesta e vai para sua segunda fase, transforma o portador em uma estatua de pedra. A estranha doença se espalha e provoca pânico na população mundial. A empresa Venus Gate, desenvolve um experimento secreto que tem como intuito, garantir um atraso na progressão da doença, selecionando 160 pessoas infectadas que são induzidas a máquinas de Sono Criogênico para servirem de cobaias para o experimento que significará o futuro da humanidade. Porém, assim que todos são induzidos ao sono pelo programa operacional, algo de errado acontece durante o experimento e quando os pacientes acordam, se veem imersos em um terrível pesadelo. O castelo onde eles haviam sido levados se encontra completamente imerso em ruinas e tomado por estranhas raízes com espinhos e aparentemente, eles são os únicos sobreviventes. Logo eles descobrem que não estão sós, mas em companhia de terríveis criaturas que se parecem com dinossauros e outras terríveis aberrações da natureza. O sonho tranquilo a espera da cura, acabara de ser transformar em uma intensa e eletrizante luta pela sobrevivência.



O desenvolvimento da ideia

King of Thorn começa trabalhando em cima do seu mote Sci-Fi, já mostrando os terríveis efeitos do Vírus Medusa, tanto física, como psicologicamente – A primeira cena, de uma mulher mergulhando do alto de uma arranha céu em Nova York, se espatifando ao solo, já transformada em pedra, denota todo o terror e a crise que a população e os países estavam enfrentando. Podemos dividir o filme em 3 partes distintas, com a primeira dela se desenvolvendo cadencialmente em cima da operação “Bela Adormecida”, que é o projeto onde as 160 pessoas seriam induzidas ao sono profundo. 


Eu não sei se a versão original de King of Thorn foi inspirada no famoso conto de fadas, A Bela Adormecida, mas acaba desenvolvendo sua narrativa em cima dessa premissa e torna a experiência ao se assisti-lo, bem peculiar. Temos a princesa que é induzida ao sono profundo para escapar da morte, e os príncipes que enfrentam a floresta de espinhos para tentar desperta-la de seu sono. Essas metáforas foram usadas de forma fantástica no decorrer do filme e não estão ali por mero acaso, que é o que descobrimos no desfecho final. 



Depois de uma mudança de cenário, que tem como foco da ação, a Escócia, o filme entra em sua segunda e explosiva parte.

 As pessoas selecionadas despertam abruptamente e se veem completamente isolados do mundo. Se a sensação de pânico já se fazia presente, o desespero é geral quando eles começam a ser atacados por morcegos carnívoros vindos sabe-se lá de onde. Aqui, temos a luta pela sobrevivência em maior ênfase e se assemelha ao gênero survival horror. É bem genérico, não sendo surpresa alguma a dedução dos personagens que são possíveis candidatos a morrer no meio da jornada. Dos 160 inseridos no plot, em menos de 30 minutos de reprodução, restam apenas 7 personagens que serão a base de toda a história a parti desse momento e que logicamente irão se despedindo um por um. A protagonista, Kasumi Ishiki, uma japonesa insegura emocionalmente, mas que deseja sair com vida para poder reencontrar sua irmã gêmea, não é uma personagem tão boa assim, mas que acaba surpreendendo. Por outro lado, temos o americano Marco Owen e o afrodescendente (LOL) Ron Portman, que protagonizam algumas sequências espetaculares de pura adrenalina.


Quando eu digo que a abordagem em cima da luta pela sobrevivência é genérica, não é necessariamente demérito. Tem tudo o que um bom filme americano do gênero pode oferecer – Em alguns momentos, tive a ligeira impressão de estar assistindo ao primeiro filme da franquia Residente Evil, em suas melhores sequências. A abordagem é a mesma e o feeling também: Personagens enclausurados, enfrentando uma terrível ameaça. Mas a história vai além de uma fuga desenfreada a procura de um lugar seguro, dá sinais de que algo mais profundo e complexo está acontecendo.

A partir dai, a narrativa que até então se focava no grupo de sobreviventes tentando encontrar uma saída daquele castelo obscuro e repleto de criaturas, passa a dar ênfase à fantasia. Mergulhamos então na complexa e última parte do longa animado, que contempla o lado fantasioso. Porém, o interessante de King of Thorn, é o fato do roteiro não usar a fantasia como explicação de todos os eventos. A trama se sustenta no Sci-Fi e dá uma resolução lógica para o mistério chave da história. O que vemos, é mais uma trama que trabalha em cima do fabuloso universo dos sonhos e os efeitos do fenômeno na realidade. Entre tantas, destaco Paprika, do saudoso diretor japonês, Satoshi Kon, tanto pela similaridade da proposta, quanto pelo tema – Mas falar mais a fundo sobre isso, seria spoiler e quem ainda não assistiu certamente iria querer me matar.




 Opinião

King of Thorn, é uma adaptação do prestigiado mangá homônimo, de ficção cientifica e sobrevivência, do autor Yuji Iwahara. É um seinen de 6 volumes, já finalizado em 2005. Como toda adaptação, essa que falo aqui também está longe de ser uma unanimidade devido as liberdades tomadas com relação ao mangá, inclusive contemplando a todos com um final original. Logicamente, mudanças são necessárias na adaptação de uma história compilada em 6 volumes para um filme de 1 hora e 50 minutos. Mas o diretor, Kazuyoshi Katayama, acaba se perdendo em alguns pontos cruciais no momento que a verdadeira história se revela e começa-se a trabalhar em cima das peças chaves. Há pontos em que ficou bastante confusa a compreensão, quando na verdade deveria ser de fácil percepção, o ritmo acelerado acima do tom adotado até então, também acaba prejudicando um pouco o clímax, com um final que não convence ao se passar a ideia de uma obra fechada. 

Mas talvez o pior, seja o péssimo uso do CG, que ficou antinatural ao extremo em todas as cenas que se precisou utilizar o recurso. O contraste dos personagens em 2D com os dinossauros e morcegos em CG, passou a sensação de estar tudo fora do lugar em uma colagem muito bizarra. Aliás, juntamente com o feeling de survival horror que a história passava, todo o gráfico parecia ter saído de um game pra PS2. Não que chegue a prejudicar, mas como o roteiro é repleto de cenas de ação, é algo que chama bastante atenção, querendo ou não. Afinal, o que houve com a Sunrise dessa vez? 



Por outro lado, nas cenas externas e principalmente as paisagens naturais, a animação é belíssima e repleta de detalhes. A história é excelente, com muita ação, mistérios e reviravoltas inesperadas, o que faz com que o filme não tenha um momento de monotonia em todos os seus 120 minutos. O conceito é interessante, e o filme sabe como levantar a questão em todos os momentos até o desfecho final, com pedaços de flashbacks, memorias soltas e uma crescente ansiedade de “o que está acontecendo”, “isso é sonho, realidade ou uma mistura de ambos?”. Sem dúvidas, o melhor que há em King of Thorn, é sua premissa e a forma como se desenvolve naturalmente, mas gostaria de ver algo assim, nas mãos de algum diretor realmente competente no assunto e que certamente saberia aproveitar melhor todas as nuances do projeto. Os personagens são bem rasos, mas em conjunto conseguem conduzir bem a história. Destaque para a ótima OST.

Ganhador do prêmio “Asia Pacific Screen Award” (que também premiou filmes como 5 Centimeters Per Second e Summer Wars), King of Thorn é um bom longa metragem e se dá melhor ainda como entretenimento pipoca, mas não chega a ser indispensável. 


Dirigido: Kazuyoshi Katayama
Escrito: Kazuyoshi Katayama , Hiroshi Yamaguchi
Estúdio: Sunrise
Tipo: Filme
Duração: 120 minutos



9 comentários :

Mary Vanucchi disse...

Yuji Iwahara? Me deixou curiosa - pela arte, no mínimo. Mas o conceito também parece interessante (nem gosto de histórias de sobrevivência, né? xD), se possível, dou uma olhada. =)

Carlírio Neto disse...

Saudações


Temas catastróficos ou apocalípticos costumam, ainda, chamar fortemente a minha atenção.

Recorda-se do filme [Eu, A Lenda]? Pois bem: a temática dele sobre um vírus que praticamente aniquila com grandiosa parte da humanidade se faz mostrar na animação aqui comentada, com um diferencial chamativo: ao invés de se tornarem criaturas sedentas por sangue e noturnas em suas ações, os humanos viraram pedra...

King of Thorn parece seguir o caminho do suspense para a salvação. Unindo um evento que até pode ser denominado como apocalíptico e o gênero/característica sci-fi (viagem no tempo manda calorosas lembranças), a animação parece-me ter alguma consistência em sua história.

A análise que fiz foi à partir deste seu texto, Roberta. Pois ainda não vi tal animação para poder dar uma opinião mais objetiva. Contudo, verei tal obra para dar uma palavra definitiva sobre a obra.

Ficou ótimo este post. E, se me permitir endossar, este tipo de análise (entenda-se como obra que está sendo dissertada) é a cara de seu blog, Roberta.


Até mais!

Malus disse...

Assisti a um tempo atrás, eu gostei bastante, mas esperava mais. Até pq um dos trailers que vi parecia extremamente animador, e quando comecei a ver a historia achei que estava vendo uma masterpiece. Mas a coisa meio que desandou na metade do filme. O fim foi interessante, mas não foi aquelas coisas. dou uma nota 7 pra ele . Não foi ruim, nem bom, foi divertido.

Rei Ayanami disse...

Valeu Beta, tava precisando de algo assim pra ver se dar uma animadinha no domingo. Já estou baixando. Falou que é sobrevivência, raramente eu penso duas vezes ^^

Panino Manino disse...

Eu não gostei desse filme, foi muito méh, e o visual escroto das GCs incomoda realmente.

Eu já havia lido o mangá e quando vi que teria mudanças esperava que fossem para o melhor, mas não.
Inventaram de enviar Bela Adormecida que pra mim não acrescentou nada, só deu um ar artístico muito besta.
O final diferente faz menos sentido do que o original, besta também.
Nenhuma dessas duas mudanças seria um problema pra mim se não tivessem mexido também no miolo. Eu só assisti o filme para ver a Alice e acabou que cortaram ela, a personagem mais interessente, simplesmente cortaram.
Acabou perdendo a graça focando tudo no Owens, desperdiçando vários momentos legais dos outros personagens. A ausência da Alice faz uma grande falta no miolo do filme pelas interferências que ela fazia sem que os outros percebessem.

Ficou um filme meio sem graça e com aparência de mal feito por causa das CGs.

Pelo menos a Sunrise conseguiu melhorar e MUITO, MUITO mesmo a qualidade dos personagens feitos em CG depois disso, como pode ser visto em Koisento.

junior disse...

bom se a historia do filme fosse so pessoas acordam no futuro para lutar contra doença e acabam encontrando monstros ia ser perfeito,mas e cheio de crises existenciais bobas,dramas sem graça e um bom filme,mas não ia fazer falta ,para min ele tem o mesmo plot de alien

julio pq disse...

o filme perde muito da atmosfera criado no mangá e abandona vário conceitos interessantes, incluindo o que há de melhor em Ibara no Ou, que é a Alice, como bem observado pelo Panino Manino. O mangá é muito bom, eu compraria qualquer hora que lançassem aqui, mas o anime perde muito tempo com pseudo filosofias. O melhor mesmo, é a parte da ação º/

Moranguinha disse...

A sinopse é muito atraente e o trailer também, então vou dar uma conferida.

E você comentou do primeiro filme de RE *___*
É o melhor daquela franquia caça niquél, já assisti umas 4 vezes

Anônimo disse...

Tá aí um bom chamariz: Toques do conto da Bela Adormecida,Do mito da Medusa e o da Alice(aquela do País das Maravilhas que foi descartada ,segundo outros comentadores) numa atmosfera sci-fi pós-apocalíptica.Mas também se tem a "sensação" que a "diversão" poderia/deveria ter sido maior.
Quem sabe algum dia eu assista...

Postar um comentário

Os comentários deste blog são moderados, então pode demorar alguns minutos até serem aprovados. Deixe seu comentário, ele é um importante feedback.